aeroporto circular

Convém lembrar que quando tratamos de aviões e aeroportos a escala é global. Ou seja, Lisboa é arredores de Madrid; no caminho em que estamos, queiramos ou não, cada vez mais o será. Nesta escala e contexto, Beja não é interior, não é arredor ou tão pouco subúrbio de Lisboa; Beja é Lisboa. Acontece que o aeroporto de Beja existe porque, em determinada altura, a Força Aérea escolheu esta localização pelas suas condições aeronáuticas excecionais e instalou ali uma base aérea que, em termos de área ocupada, é a maior da Europa e uma das maiores do mundo. Foi essencialmente por esta razão, qualidade aeronáutica excecional, que a Força Aérea alemã ali se instalou desde muito cedo. A escolha alemã, pelo que sabemos do povo alemão, devia-nos bastar para considerar Beja como uma hipótese muito séria. Mas não, andamos há 50 anos a ouvir tudo e todos de modo a justificar a inércia para a tomada de decisão.

Artigo completo na revista Visão:

https://www.dropbox.com/s/26z8kc58snanxtj/aeroporto%20circular%20-%20Vis%C3%A3o%20-%2013%20jan%2022.pdf?dl=0

Deixe uma resposta

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan