correr para quê?

Passados alguns anos, sete desde a última, e alguns mais depois da participação regular em provas, voltei a correr com um dorsal (correr uma prova): corri a Marginal à Noite. Uma velha pequena grande prova no melhor concelho do país, Oeiras. E se Portugal fosse todo como Oeiras?

A memória e o gosto da corrida mora em mim há 49 anos, por muito dura e angulosa que seja, não há pedra no ténis que resista. Esta identidade com a corrida tem muito peso, muita força, há um passado, não quantificado, de muitos quilómetros, de muita cabeça. A cabeça, também na corrida, é o músculo mais importante. “O passado não está morto”, escreveu Faulkner em “Requiem por uma monja”; e acrescentou: “Nem sequer é passado.” Impossível dizer melhor: o passado nunca termina de passar, sempre está aqui, operando sobre o presente, formando parte dele, habitando-nos. Viver um presente sem passado é viver um presente mutilado. É dizer: viver uma vida mutilada. (Javier Cercas, “La dictadura del presente”). Toca a correr. Este sempre foi o meu método, nada de planos, sistemas, séries, o que seja, tudo se resume a quilómetros nas pernas.

Porquê? A corrida faz parte de mim. Em mil novecentos e setenta e picos em Évora, muito parecida com a de hoje, se honestamente incluirmos o fator “tempo atual”, praticar desporto era muito difícil. A corrida foi o possível, barato, fácil e independente. Uns anos mais tarde a presença diária no Estádio Universitário, onde me cruzava amiúde com os atletas de nome mundial, animou e consolidou a coisa.  Décadas depois, a vida profissional em Lisboa e a pessoal e social em Cascais, amplificou e embelezou a prática.

Para quê? Esta é pergunta; andamos sempre atrás do “porquê” e na verdade o que importa é o “para quê”. Quem corre sabe a resposta, é simples e complexa. A corrida é como a música ou outra coisa, transforma e eleva. A corrida é como outra coisa qualquer, depende da forma como se faz. “Descasca uma laranja como se dirigisses uma orquestra”, diz um saber antigo, dá a melhor resposta. Para além de um treino para a vida, e para o corpo, a corrida, exigente e intensa leva-me ao mais profundo do que Sou. Quase uma meditação. Tantas vezes saio do lugar que os ténis pisam.

Para além do desafio, a Marginal à Noite’22 foi um teste a quase tudo o que este esqueleto agrega. Depois de, há uns anos, uma longa paragem por significativas limitações físicas, de outros tantos anos de uma lentíssima, mas persistente recuperação, quero saber como está o corpo. Esta é a resposta mais fácil e foi positiva, sobretudo no que diz respeito às canetas. Já no que respeita à parte respiratória a resposta não é “sim” e “não”; houve má gestão por falta de treino com o “peso” do dorsal. Quem corre sabe que fazer um treino ou um prova são coisas muito diferentes mesmo que distância e o percurso sejam os mesmos. A cabeça também não esteve sempre bem. Estamos entregues a nós próprios e, como sempre, o mal do Homem é pensar.

Quem pensa que há corridas com percursos planos engana-se, plano só de automóvel, ou em casa no PC ou sofá. Logo depois da partida em St. Amaro de Oeiras na direção a Caxias, onde se inverte o sentido, há cerca de um quilómetro a subir. Estes são os passos mais importantes. Mas antes há a caixa e partida e, entretanto, na minha ausência, o mundo mudou para pior. Em 3000 criaturas fui o único que não tinha um smartphone na mão. Foi uma muito má surpresa. Absurdo e, pior, estúpido. Velhos e novos, todos com o foco no ecrã. Ninguém está ali a viver a experiência. Apenas uns, ainda mais velhos que eu, da Lage, mandavam umas bocas uns aos outros, mesmo assim não resistiram e tiraram uma selfie. Aquele tempo, sempre excessivo, foi ainda mais longo. As boas conversas com quem não se conhece antes do tiro de partida estão agora proibidas. Pior, este tempo de espera serviu para me aborrecer, ainda me aborreço com a cretinice estúpida. O mais grave é que isto tornou a minha subida, o primeiro quilometro, abruptamente mais difícil. Para além da minha fraqueza de me deixar aborrecer com o absurdo, depois do sinal partida, pelo enorme Isaltino, não consegui começar a correr porque estavam todos de aparelho na mão, muitos de mão ao alto, como que a pedir clemência ao Céu. Inacreditável é que durante a prova muitos vão com o “bicho” na mão em atividade.

No fim, na verdade o Céu existe, a cabeça foi esquecendo o que não presta e o pensamento do coração prevaleceu; dei-lhe com alma.

Uma outra pergunta surgiu; vão haver mais dorsais na minha camisola?

Deixe uma resposta

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan