serras de aires e candeeiros

muitos, muitos anos depois, provavelmente nesta caminhada do dia 12 novembro foi onde os nossos passos nos levaram mais longe.

Saber popular das Serras de Aires e Candeeiros:

Terra que possas.

Terras que consigas cuidar e manter limpas e cultivadas.

Casas que caibas.

Casas que sejam o suficiente para  dormires e descansares da vida diária.

Olival que não saibas.

Oliveiras que não saibas de modo a que tenhas muito azeite para vender para que tenhas dinheiro para o sustento e luz para iluminação à noite.

 

O melhor jornal do mundo mostra o que de melhor se faz no mundo, obviamente:

http://omirante.pt/sociedade/2017-11-12-Caminheiros-visitam-Serra-DAire-e-Candeeiros

http://omirante.pt/economia/2017-11-13-Produzir-cogumelos-biologicos-na-Serra-DDaire-e-Candeeiros

Fotografias de Natividade Silva:

https://photos.app.goo.gl/4vLD9bMCmPz3N3uw2

o valor do lugar

Quando nada sobra, resta o lugar. A alma do lugar, a identidade de cada lugar, os vizinhos de sempre, a nossa gente, os iguais. Dramaticamente, este é o quadro dos nossos lugares. Depois da devastação do fogo apenas ficou o mais intangível mas, talvez, o mais importante: a alma, o que só sente quem lá vive. Afortunadamente, esse pouco pode ser muito, é muito. Na verdade, este espaço de proximidade tem a força necessária para levantar cabeça. O lugar, a nossa terra, a melhor do mundo, faz parte de nós, somos um.

Continue reading

as pequenas grandes questões do up global

as pequenas grandes questões do nosso modelo de globalização começam a dar que pensar:

http://www.huffingtonpost.es/2017/11/02/la-comentada-reflexion-de-teresa-rodriguez-tras-abrir-una-bolsa-de-pipas_a_23264296/

despovoamento do campo

O conhecido jornalista José Gomes Ferreira diz em O Mirante que “a desertificação do mundo rural é uma tendência irreversível”. Refere-se ao despovoamento, claro, mas felizmente está equivocado. Na verdade, como bem diz, o abandono do campo não é um fenómeno português, mas global. Diz-se que cerca de 80 por cento dos europeus vivem em cidades, mas suponho que não são cidades como Santarém e Abrantes; são das outras, grandes, onde há muito deixou de haver estações do ano. Só que esta verdade de hoje é meramente circunstancial e um dia destes, num repente, a coisa vai mudar. É inevitável que mude.

Continue reading

emparelhamento

Uma das palavras mais usadas para caracterizar o up local é  proximidade. Na verdade a proximidade é sinónimo de contiguidade, pequena demora ou mesmo vizinhança. A proximidade surge na forma de amizade, ajuda, contacto, reciprocidade, troca de ideias e outras formas de relação social entre o indivíduo e o que o rodeia. Tudo isto é o Diário do Sul na região em que se insere e nós, os seus leitores, não só o reconhecemos como o sentimos. Sei que as pessoas, profissionais, que fazem o jornal vivem o reciproco. Isto é, é a proximidade que confere ao jornal a perfeita simbiose com a região. A mais das vezes as notícias e os acontecimentos são vividos pelas duas partes da mesma forma; porque as pessoas se conhecem. O Sr. Piçarra, o Sr. Oliveira, a Maria Antónia ou o Paulo para além de um nome teem um rosto e um jeito que quase todos conhecem. Esta similitude de emoções só é possível porque as pessoas se tocam, vivem todos os dias a mesma temperatura do ar.

Continue reading

atitude

a atitude é uma pequena coisa que faz a grande diferença. A atitude é um dos nossos maiores recursos:

  • renovável;
  • infinito;
  • melhoria permanente e infinita.

No O Mirante:

https://www.dropbox.com/s/13axgkwu1b0c7o2/atitude%20-%20carlos%20cupeto%20-%2013-07-2017.pdf?dl=0

 

patrimónios (Cuba)

Providencialmente, os últimos dias trouxeram-me cultura. Na verdade, cada vez mais acredito que o caminho da mudança é por aí e quem julga que a ciência e os patrimónios, e bem assim, a arte, são intocáveis, engana-se profundamente. Tive a oportunidade de ir a Cuba e tomar contacto próximo com o Cuba Leader; quase que se pode resumir numa palavra: fantástico. Já sabia que este pequeno concelho do Baixo Alentejo tem identidade cultural, mas é muito mais que isso; assume a sua matriz como um recurso incontornável e primordial. E não é que tem razão?

Continue reading

solo e água

Nas nossas terras todos conhecemos alguns sinais, bons exemplos, indicando-nos que alguma coisa está em processo de mudança para melhor. Enquanto o folclore, às vezes ofensivo, das startups anima os nossos melhores centros de excelência, quase sempre ligados às universidades, a fazerem inutilidades em série, o mundo real onde as pessoas vivem, onde os rios correm e as árvores crescem, começa a mostrar-nos excelentes práticas. Num destes fins de semana tentei visitar num dos bairros, tipicamente rural, da cidade em que habito, um mercado local que começa a ter fama. Os pequenos produtores juntaram-se, ganharam alguma escala, ajudam-se e a coisa está a correr bem; entre a agricultura tradicional e a biológica, as pessoas reconhecem a qualidade dos produtos e aderem com natural facilidade.  Escrevo “tentei”, porque, como um perfeito urbano, falhei o dia, fui no sábado e o mercado é ao domingo. Mas, graças à simpatia das pessoas simples do campo, rapidamente fui informado que ali mesmo ao lado num outro bairro – daqueles que não deviam existir, porque não é rural nem urbano e de qualidade nada tem –, havia nesse mesmo dia um mercado “muito melhor”.

Continue reading

a cultura e o vinho

Do lado de cá do Tejo, há quase um ano, um conjunto de pessoas que representam diversas entidades levam a cabo uma tertúlia mensal sobre o vinho – Coisas de vinho. Antes de tudo convém não ignorar que, neste país de matriz essencialmente rural, a vinha é a cultura agrícola mais importante de Portugal. Li algures que representa cerca de 10% da área agrícola do país. Para além de tudo o resto, magníficas adegas, enologia de grande valia, enoturismo em alta etc., esta dimensão agrícola a montante de tudo é de longe o mais relevante. Poucos temas serão tão transversais e identitários com a cultura e tradição da região onde trabalhamos e vivemos, os patrimónios associados à vinha e ao vinho tenderão para o infinito.

Continue reading

turismo 2027

Depois da invasão espanhola na Páscoa apetece voltar a escrever sobre turismo. Bem ou mal o turismo toca em tudo o resto que se possa escrever; talvez por isto este tem sido, sem dúvida, o tema que mais tenho escrito nos últimos tempos. Recentemente saiu à luz o documento estratégico – não se sabe até quando(?); pelo menos desejamos que até este governo se mantenha em funções. Os próximos 10 anos de turismo em Portugal estão aqui bem estudados, é obra. Enquanto a quantidade for uma realidade quase tudo é fácil.

Continue reading

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan