congresso nacional da água no jornal Expresso

Mais um congresso, para novos desafios? Que desafios? Que novos desafios são estes? Renovar e adaptar normas, regulamentos e legislação? Mais legislação? A Directiva Quadro da Água não chega? Mais reuniões, congressos, seminários e todo o tipo de eventos relacionados com o tema? Há alguma semana em que isso não aconteça?

E depois, o que fazemos com os estudos e conclusões dos congressos. Os recentes acontecimentos do Tejo respondem.

Texto completo no jornal Expresso:

https://www.dropbox.com/s/jx2c1w13efaoic6/c%20cupeto%20-%20recursos%20h%C3%ADdricos%20-%20Expresso%20-%2010%20de%20mar%C3%A7o%202018.pdf?dl=0

Portugal, caro e perigoso

A brandura que nos caracteriza, em quase tudo, não se confirma em matéria da perigosidade natural do nosso território. Portugal é um país naturalmente perigoso e cada vez mais o será. Provavelmente, os tais brandos costumes levam-nos viver o dia ignorando esta dispendiosa realidade sem nada fazer. O ano de 2017 é excelente para ilustrar esta verdade: fogo e seca.

O país é perigoso devido à sua localização geográfica (incluindo uma coisa que se chama geodinâmica interna; neste caso a perigosidade vem-nos da “localização tectónica”), à sua geodiversidade, ao seu clima e à sua exposição atlântica. Com este contexto, a probabilidade de acontecerem fenómenos naturais perigosos é elevada. A tendência é que esta realidade se agrave progressivamente perante as alterações climáticas em curso, que se juntam assim à variabilidade climática e a tudo o resto já referido. Apenas sabemos que este tipo de ocorrências, que causam danos humanos e materiais, dando lugar ao risco, serão cada vez mais frequentes, intensas e imprevistas.

Artigo completo na edição do Expresso de 3 de fev. de 2018:

https://www.dropbox.com/s/dlamzomfvygmmv6/carlos%20cupeto%20-%20Expresso%203%20fev%202018%20-%20portugal%20caro%20e%20perigoso.pdf?dl=0

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan