754

Ajude o Alentejo, a nossa cultura e os nossos saberes.

Por estas paragens, este nosso país, enferma de grandes, fatais e muito caros enganos. Acreditamos que há serviços grátis, acreditamos que a riqueza é uma coisa espontânea, e, entre muitos outros equívocos, pugnamos sempre pelos nossos direitos esquecendo os DEVERES. Na verdade, queiramos ou não, mesmo os nossos mais justos e naturais direitos têm sempre, a par, um pacote de deveres.

É a este dever que vos apelo. Ao DEVER de votar no Alentejo, na nossa alma, por todos nós mas essencialmente pelos filhos e netos, que cá vão ficar quando partirmos.

Ajude o seu Alentejo, as nossas tradições e cultura.

Basta enviar um SMS gratuito e está a fazer a sua parte, está a cumprir o seu dever.

SMS gratuito para o número 3838, com a seguinte mensagem:

OPP [espaço] 754 [espaço] NÚMERO DE CARTÃO DE CIDADÃO – 9 algarismos + 2 letras + 1 algarismo – ou Bilhete de identidade

Só conseguiremos trazer o projeto para o Alentejo se tivermos votos. Como somos poucos todos temos que votar e todos temos que arranjar muitos votos. Ajude o seu Alentejo. O nosso projeto é sobre as Tabernas, o vinho, os saberes e os sabores, tem o número 754. É este o número que deve usar para votar. Votar no 754 é muito fácil.

Faça a sua parte, vote e peça votos a toda a família e amigos.

 

Estremoz – Borba, vinho respeitado

O vinho decide-se em dois factores, a qualidade do substrato e o trabalho do enólogo. O sabor do lugar que marca o vinho é a grande tendência do mercado para a diferenciação de vinhos únicos e icónicos. Serão estes os vinhos mais verdadeiros. A arte do enólogo está na sua capacidade de integração de todos os factores que a natureza lhe dá. O vinho é a forma de expressão dessa natureza, a sua mensagem.

Adega de Borba: a maior cobertura verde (green roof) industrial da Europa.

em Estremoz – Borba trabalham-se vinhos respeitados:

https://www.dropbox.com/s/pd1v9dinfc6vsnw/evento%20Borba%20-%20Estremoz%20-%20DS%20-%204%20ago%2018%20.pdf?dl=0

enogeobiodiversidade da Vidigueira

Quais os factores geológicos que influenciam a vinha e, consequentemente, o vinho?

Talvez sejam, o substrato rochoso, a altitude e o declive, a drenagem e a retenção da água.

A enogeobiodiversidade da Vidigueira responde.

no Céu está o limite, na Terra está e geobiodiversidade que dá vinhos únicos. (Nª Sra de Guadalupe – Quinta do Quetzal, fotografia Festival Terras Sem Sombra)

o vinho da terra na terra do vinho (Vidigueira):

https://www.dropbox.com/s/6odg9qn4p4vc1wv/evento%20Vidigueira%20-%20Quetzal%20-%20DS%203%20ago%2018.pdf?dl=0

o vinho do lugar (Marvão -Alentejo)

A Terra bebe-se no vinho. O vinho é, sobretudo, a rocha onde nascem e maturam as uvas. Para um bom vinho, diz quem sabe, o mais importante é a vinha, para a vinha, o mais importante é o lugar. O saber da geologia é uma parte fundamental da compreensão do “quê” e “porquê” do vinho. Há uma conexão perfeita.

               Terrenus, vinhas centenárias na Serra de S Mamede dão um vinho único.

a força do vinho do lugar com vinhas com mais de 100 anos:

https://www.dropbox.com/s/u4b23fd1ig4lwl9/Marv%C3%A3o%20-%20Tabernas%20do%20Alentejo%20-%20Ci%C3%AAncia%20Viva%20no%20Ver%C3%A3o.pdf?dl=0

a Terra num copo

A Terra bebe-se no vinho. O vinho é, sobretudo, a rocha onde nascem e maturam as uvas. Para um bom vinho, diz quem sabe, o mais importante é a vinha, para a vinha, o mais importante é o lugar. O saber da geologia é uma parte fundamental da compreensão do “quê” e “porquê” do vinho. Há uma conexão perfeita.

adega, centro de arte moderna e restaurante (Quetzal – Vila de Frades). Fotografia Quetzal.

Artigo completo em Notícias do Mar, agosto 2018:

https://www.dropbox.com/s/grtzgzp7rmt50qy/a%20hist%C3%B3ria%20da%20Terra%20num%20copo%20de%20vinho%20-%20Not%C3%ADcias%20do%20Mar%20-%20agosto%202018.pdf?dl=0

borba – estremoz (4 de agosto): geologia, vinho, ciência, arte e cultura

numa breve visita à vinha (Adega de Borba) é possível observar e interpretar alguns episódios da fabulosa história da Terra e tentar transpo-los para o vinho. Na Adega de Borba, depois de uma visita,  procuraremos, no vinho, o sabor do lugar. Este é o espantoso mundo da enogeobiodiversidade que desejamos viver numa experiência que associa ciência, arte e cultura, através de um simples copo de vinho.

enogeobiodiversidade; vinho, escravo da geologia?

https://www.dropbox.com/s/0is4mm7a4b8frm0/vinho%20e%20geologia%20Borba%20-%20Estremoz.pdf?dl=0

 

inscrições gratuitas (lista de espera):

http://www.cienciaviva.pt/veraocv/comum/2018/actividadeshoje.asp?accao=showaccao&id_accao=6959

vila de frades (vidigueira): geologia e vinho

sábado, em Vila de Frades (Quinta do Quetzal), Vidigueira, aconteceu mais um evento Tabernas do Alentejo – arte e ciência / Ciência Viva no Verão.

uma história contada, e provada, num copo de vinho.

a relação entre a geologia e o vinho (Vidigueira):

https://www.dropbox.com/s/jwhmrao4t5quef7/vinho%20e%20geologia%20vidigueira_fundo%20branco.pdf?dl=0

fotografias:

https://photos.google.com/share/AF1QipOwcKpp-F3N3Jp36Dh_g42K_-yB5gZj1m_fzC7nvT9GjLMaIohHy2oTZ91sycC2ww?key=UTIxTlpjUTU3UldRQ3RkcjJSQnhqRTNPN3JXSTBR

a história da Terra

na Alemanha, no magnífico vale de Mosela, a Winningen de Reinhard Lowenstein, na 13ª geração da família vínica,  tem as suas vinhas nas mesmas rochas que a Terrenus tem em Marvão: xistos devónicos e quartzitos ordovícicos. Nessa altura, há mais de 400 milhões de anos, os continentes e os oceanos eram muito diferentes dos de hoje; o oceano onde se  formaram as rochas de Marvão foi o mesmo das rochas de Mosela. Reinhard afirma, “sem dúvida, que o mais importante para o vinho é a geologia”, quem diria? Foi isto que provámos no vinho da Terrenus (Rui Reguinga) em Marvão: um vinho mineral de xisto (sem barrica), e um vinho rochoso de quartzito (sem barrica).

Dia 28, sábado, continuamos a contar a história da Terra num copo de vinho na Vidigueira (terra de vinho) com a parceria da QUETZAL:

Tabernas do Alentejo – arte e ciência (OPP 2017) & Ciência Viva no Verão.

Inscrições em:

http://www.cienciaviva.pt/veraocv/comum/2018/actividadeshoje.asp?accao=showaccao&id_accao=7190

 

a história da Terra num copo de vinho (tabernas do Alentejo – opp 2017)

um programa de verão imperdivel: o badalado terroir assenta nas rochas, tudo se compreende com as rochas: substrato, altitude, exposição, clima… tudo esbarra na rocha.

a rocha regista a história da Terra, como as páginas de um livro, e isto passa para o copo. Este é nosso desafio e o nosso convite:

– Marvão, 10:00, 21 de julho;

http://www.cienciaviva.pt/veraocv/comum/2018/actividadeshoje.asp?accao=showaccao&id_accao=7189

– Vidigueira, 10:00, 28 de julho;

http://www.cienciaviva.pt/veraocv/comum/2018/actividadeshoje.asp?accao=showaccao&id_accao=7190

– Borba, 9:30, 4 de agosto.

http://www.cienciaviva.pt/veraocv/comum/2018/actividadeshoje.asp

gratuito mas com inscrição obrigatória (mesmo com lista de espera).

 

Comenda Grande

Partilhar  coisas boas é o meu maior gosto. Até porque acredito que a mudança, para melhor, se faz pelo exemplo. Muitos conhecerão os excelentes vinhos da Comenda Grande. A história deste projeto de empresa vínica com apenas 16 anos,  é um exemplo local e deve constituir um orgulho nacional. Um exemplo de como uma história agrícola centenária, que se perde na memória dos tempos, se reinventou, com grande sucesso. Há muito mérito e trabalho nisso. Às vezes corremos mundo à procura de tesouros e eles estão à porta de nossa casa.

Continue reading

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan