àgua como fogo

Às vezes, a curiosidade é maior que o bom senso e cometemos “loucuras”. Assim foi no feriado de 15, em que rumei a Cáceres pelo Tejo, onde a Confraria Ibérica do Tejo (CIT) organizou um seminário. Mais um a juntar a dezenas de outros que deste há muito vão acontecendo. Como cristão, interrogo-me se terá sido pecado dedicar um feriado santo a ir a Cáceres. Na verdade, os rios merecem isto e muito mais e, no fim, valeu a pena ir a Cáceres. A nova CIT pode ser uma boa oportunidade para cuidar do Tejo, mas aquilo que presenciei em Cáceres deixa-me muitas dúvidas: mais do mesmo, isto é, gastar dinheiro que contribui para a nossa pobreza. Bom, o certo é que em Cáceres o Tejo estava bem representado, o que infelizmente só por si não chega. Do mais curioso que se passou em Cáceres foi, na primeira mesa redonda do dia, ficar evidente que cada um dos presentes tinha uma ideia diferente do que se estava ali a passar. O ponto alto do ridículo aconteceu quando a representante do Governo português, Helena Freitas – mulher com peso, porque coordenadora da Unidade de Missão para a Valorização do Interior – se viu obrigada a intervir e a dizer aos organizadores o que estavam ali fazer.

Continue reading

Tejo – confraria

A propósito da história que hoje escrevo dei conta de quase uma dúzia de escritos especificamente sobre o Tejo. Reli alguns e confesso que este cortejo de textos ao longo de quase cinco anos é, em meu entender, um contributo para a causa de que me orgulho.  Às vezes, a curiosidade é maior que o bom senso e cometemos “loucuras”. Assim foi no feriado de 15, em que rumei a Cáceres pelo Tejo, onde a Confraria Ibérica do Tejo (CIT) organizou um seminário. Mais um a juntar a dezenas de outros que deste há muito vão acontecendo. Como cristão, interrogo-me se terá sido pecado dedicar um feriado santo a ir a Cáceres. Na verdade, o Tejo merece isto e muito mais e, no fim, valeu a pena ir a Cáceres.

Continue reading

o Tejo num congresso

Há duas semanas o Tejo ia ter mais um Congresso, não aconteceu sabe-se lá porquê!

Lamento dececionar os mais inocentes, mas nesta, como noutras matérias, está tudo dito e todos sabem o que devem (têm) de fazer; só não fazem se não quiserem. Sobeja (e muito) a legislação, os instrumentos de gestão vigentes e tudo o resto. Apenas se pede uma ação que proteja e valorize o rio e que conduza a um Tejo onde se nade e pesque, somente isto. Ou seja, políticas e práticas que contrariem o habitual “proibir” e incentivem o bom uso, pois o rio devolve-nos exponencialmente tudo o que por ele fizermos.

Continue reading

para lá do Marão

Hoje é daqueles dias em que o “adoro escrever, só detesto começar” é ainda mais verdade. O “Tejo a pé”, um grupo de caminhada informal, esteve em Trás-os-Montes, ou seja, o “Tejo andou no Douro”. Este país é único; rios como os nossos não há mais na Europa. Em contrapartida, todos os outros (Espanha, Itália, França…) têm melhores igrejas, castelos, monumentos… É só por esta verdade que insisto no património natural da nossa terra como o maior dos valores turísticos e verdadeiramente distintivo. Andámos no Douro, mais concretamente no Tua, fruto de uma parceria com a Casa do Lagares Vara e Pedra, muito mais que uma casa de campo, na pessoa do biólogo Paulo Pinto. O Paulo preparou-nos um magnífico fim de semana que incluiu várias dimensões do que faz um humano feliz. Em Vilas Boas, no bonito concelho de Vila Flôr, bem para lá do Marão, no Parque Natural Regional do Vale do Tua, andámos cerca de 11 quilómetros de um encanto difícil de escrever e retratar. Jamais imaginámos que seria possível em Portugal andar tal distância continuamente com vistas soberbas.

Continue reading

sempre o Tejo

Pucariça (Aldeia do Mato – Abrantes)

Em boa hora nas minhas férias de excelência pelo Zêzere-Tejo passei e fiquei um tempo pela Pucariça.  Desde logo porque fui encontrar o casal Kau e Cláudia meus queridos ex-alunos de há muitos anos e amigos. As “coincidências” pregam-nos partidas, quase sempre boas como esta.

Na Pucariça conheci a TerradÁgua, as palavras certas são difíceis e provavelmente sempre escassas e redutoras. Muito agradeço à Marina e ao Tó Zé o provarem, na prática o que sintetizo na expressão UP LOCAL; na verdade o up local é uma realidade.

Continue reading

pós-férias

Durante alguns anos tive responsabilidades públicas nos rios do Tejo, estudar, autorizar, licenciar. Sempre que possível, indiscutivelmente sempre que necessário, saí da secretária e estive no local; muito poucas foram as semanas que fiquei em Lisboa. Todavia, depois das férias deste ano, confesso-vos que não conhecia suficientemente a realidade; isto não significa que o serviço, no caso a ARH do Tejo I.P., não cumprisse a função: usar e valorizar a água.  Felizmente, desde a Guarda até Lisboa,  a equipa da ARH integrava técnicos locais de enorme valor e conhecimento que sempre apoiavam a tomada da melhor decisão  pelo bem público e interesse dos utilizadores, quase sempre conciliáveis.
Durante uma semana andei, no sentido literal do termo, a melhor forma de conhecer uma região, pelas bacias do Tejo e Zêzere, pelos pequenos e únicos rios destas grandes bacias hidrográficas.

Continue reading

cancioneiro da sustentabilidade

a agenda do Tejo

O Tejo parece querer bradar alguma coisa. Para além do Fórum que decorreu em Vila Franca anuncia-se o III Congresso, a Confraria do Tejo e têm surgido alguns ecos de notícias e opiniões nos media. Mas muito mais que a boa conversa, e nem sempre assim é, o Tejo necessita de ação, pequenas ações que sejam. Sobejam os planos, as estratégias e os estudos. Muito gostaria de saber de todo este somatório de planos, ao longo de décadas, o que se concretizou e quais foram os resultados? Além do enorme investimento em tratamento de águas residuais urbanas e dos arranjos das margens, o que se fez? Antes de mais, antes de ação, é imperioso que se faça este balanço, o que se planeou, fez e no que resultou. Só depois disto é que faz sentido desenhar uma agenda, a agenda do Tejo.

Continue reading

água e mais água

20160319_170659

amanhã é o dia mundial da água e hoje vivemos o day after do II Fórum Ibérico do Tejo – Vila Franca de Xira.

Ontem  em Vila França explicitei que o nosso principal, para não dizer único problema, é não termos água e solo suficientes para alimentar a população da Terra.

“Según organismos internacionales como la FAO, será necesario aumentar la producción de regadío más de un 40% antes del año 2030 y más de un 70% antes del 2050 para garantizar el abastecimiento de alimentos básicos a la creciente población mundial.”

Como vamos fazer?

E o Tejo?

É necessária mais água, sempre mais água, mais uma infra-estrutura e tudo é possível, que enorme engano.

http://www.ambientum.com/boletino/noticias/Aumento-de-la-superficie-de-regadio.asp?utm_campaign=11032015not&utm_medium=email&utm_source=newsnoticias

Em homenagem à água:

http://observador.pt/2016/03/21/natureza-45-das-belas-paisagens-dominadas-pela-agua/

 

 

 

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan