riscos naturais

Riscos naturais e perigosidade do território é tema sempre oportuno, as recentes ocorrências motivam-me a voltar ao assunto. Obviamente que incluo os incêndios. Os riscos naturais rodeiam-nos por todos os lados e não se pense que é lá longe, nas Caraíbas ou no México, é aqui à nossa porta. Imaginem que na Florida, depois do tufão, veio uma vaga de calor que também já fez vítimas. Por muito que a ciência tenha avançado, as incertezas continuam a ser muito maiores que as certezas, designadamente previsões, gestão, controlo, etc. Sabemos que ocorrências catastróficas já aconteceram e vão voltar a acontecer em todos os locais, regiões e países, pobres e ricos. Também temos a certeza que os meios de acção disponíveis (humanos e materiais), em caso de ocorrência, são sempre mais escassos que o necessário. Tudo isto são certezas. A grande incerteza é saber quando e onde? O que fazer? Avaliar e assumir a perigosidade/risco; prevenir e, em caso de ocorrência, ação rápida e eficaz de forma articulada por parte de todos os agentes de protecção civil.

Continue reading

espanhas

“Prisioneiros da Geografia”, de Tim Marshall,  foi um dos excelentes livros que li nas férias e que clarifica muita coisa; ou pensam que os portugueses são diferentes dos espanhóis – aqui tão perto – por obra do acaso? Porque será que o alentejano é tão diferente do algarvio? Valha-nos, mais uma vez, a geobiodiversidade.

A Espanha só serve para atravessar de noite, disse-me muitas vezes o Antunes, amigo de sempre. Bem verdade quando o objetivo é a Europa – e o que há para lá desta – em cima de uma mota.

Continue reading

barcelona

ri palhaço. chora homem. sofre cão.

em mais um dia muito triste, depois de uma barbaridade, que dificilmente se compreende e aceita como manda a Bíblia, nada mais falta ler, ouvir e ver.

entretanto este jardim retângular, (des)governado por  um bando de irresponsáveis e incompetentes, não precisa de terroristas, as árvores encarregam-se do trabalho, quando ardem ou caem.  Continuamos em festa, como ontem se viu o PR e Primeiro Ministro em Pedrogão na nova cozinha da velhinha de 91 anos. Tudo normal, a irresponsabilidade não é responsável. Os turistas que venham em quantidades e levem o que quiserem desde que paguem alguns euros, mesmo que o país morra à sede. Ainda ontem às 15:00 com 40ºC em Montemor – o – Novo um joper regava abundantemente uma pateta rotunda relvada.

pouco tempo depois de Barcelona um (ir)responsável governamental apressou-se a adiantar que não haviam portugueses entre as vitimas; “uf correu tudo bem!”. Vinte e quatro horas depois sabemos que há uma portuguesa entre as vitimas mortais e a jovem neta está desaparecida.

isto de zero mortos ou um morto, num país onde se arde com alguma facilidade, não tem muita importância, apenas revela e confirma uma enorme irresponsabilidade e incompetência.

 

mágicos do turismo

Continuamos, por mais umas semanas, no tal tempo de férias. Por muito que custe a admitir o sucesso do turismo é apenas o imediato e esta é “apenas” a industria mais predadora do século XXI: o objetivo é viajar cada vez para mais longe em menos tempo com a intensidade máxima, dando uma nova expressão à máxima do “quanto mais melhor.” Depois da viagem em low cost, o turista no destino exige e consome sem limites. Este turismo é um produto do nosso tempo com uma fatura de valor incalculável, que inevitavelmente será cobrada um dia: “faz e leva o quiseres desde que pagues”, o quanto basta para o nosso contentamento. No fim, como sempre é, resta-nos uma certeza o custo disto vai ser enorme. Tudo o que estamos a vender como produto turístico (monumentos e pouco mais) todos os outros têm, muitas vezes melhor.

Continue reading

despovoamento do campo

O conhecido jornalista José Gomes Ferreira diz em O Mirante que “a desertificação do mundo rural é uma tendência irreversível”. Refere-se ao despovoamento, claro, mas felizmente está equivocado. Na verdade, como bem diz, o abandono do campo não é um fenómeno português, mas global. Diz-se que cerca de 80 por cento dos europeus vivem em cidades, mas suponho que não são cidades como Santarém e Abrantes; são das outras, grandes, onde há muito deixou de haver estações do ano. Só que esta verdade de hoje é meramente circunstancial e um dia destes, num repente, a coisa vai mudar. É inevitável que mude.

Continue reading

turismo depredador

“alegres, cegos e patetas” é a melhor legenda para os responsáveis portugueses eufóricos com o sucesso do turismo:

http://observador.pt/2017/07/30/fotogaleria-lavertezzo-o-paraiso-suico-que-foi-destruido-por-um-video-viral-no-facebook/#comment-post-2200862-1617682

enquanto isto, por cá, na busca dos euros para o abençoado crescimento, “paga e leva o que quiseres”, intensidade máxima, dando uma nova expressão à máxima do “quanto mais melhor.”

está-se mesmo a ver qual vai ser o fim.

atitude

a atitude é uma pequena coisa que faz a grande diferença. A atitude é um dos nossos maiores recursos:

  • renovável;
  • infinito;
  • melhoria permanente e infinita.

No O Mirante:

https://www.dropbox.com/s/13axgkwu1b0c7o2/atitude%20-%20carlos%20cupeto%20-%2013-07-2017.pdf?dl=0

 

àgua como fogo

Às vezes, a curiosidade é maior que o bom senso e cometemos “loucuras”. Assim foi no feriado de 15, em que rumei a Cáceres pelo Tejo, onde a Confraria Ibérica do Tejo (CIT) organizou um seminário. Mais um a juntar a dezenas de outros que deste há muito vão acontecendo. Como cristão, interrogo-me se terá sido pecado dedicar um feriado santo a ir a Cáceres. Na verdade, os rios merecem isto e muito mais e, no fim, valeu a pena ir a Cáceres. A nova CIT pode ser uma boa oportunidade para cuidar do Tejo, mas aquilo que presenciei em Cáceres deixa-me muitas dúvidas: mais do mesmo, isto é, gastar dinheiro que contribui para a nossa pobreza. Bom, o certo é que em Cáceres o Tejo estava bem representado, o que infelizmente só por si não chega. Do mais curioso que se passou em Cáceres foi, na primeira mesa redonda do dia, ficar evidente que cada um dos presentes tinha uma ideia diferente do que se estava ali a passar. O ponto alto do ridículo aconteceu quando a representante do Governo português, Helena Freitas – mulher com peso, porque coordenadora da Unidade de Missão para a Valorização do Interior – se viu obrigada a intervir e a dizer aos organizadores o que estavam ali fazer.

Continue reading

festas e festarolas

Entre o quotidiano, muitas vezes exigente,  que nos entra pela porta o tempo é de autárquicas. Leia-se o Diário da Região (este texto foi publicado neste jornal no dia 28 de junho) e não restam dúvidas. Na verdade o folclore é imenso, em franca oposição ao estado de alma e vontade para o exercício do dever da participação do comum do cidadão. Talvez para contrariar, ou disfarçar o desalento do cidadão, as festas multiplicam-se, como bem referiu Manuel Henrique Figueira recentemente neste jornal.  Interrogo-me donde vem o dinheiro para tanta festa, quando quase sempre falta para o essencial e importante?

Continue reading

fogo, pior que dantes

Li o que escrevi em anos idos sobre fogos e torna-se incontornável voltar ao tema. Setembro de 2013: “o que se passou no Caramulo é demasiado grave para ficarmos pelo habitual (…) Num contexto só comparável a uma situação de guerra, a exigência técnica e o risco são demasiado elevados para bombeiros voluntários amadores. Neste combate, nesta frente, só podem estar profissionais altamente qualificados, preparados e equipados.” Há menos de um ano, em agosto de 2016, andei nas florestas de Pedrogão Grande e Figueiró dos Vinhos e neste mesmo jornal escrevi: “Andei, passo a passo, algumas dezenas de quilómetros na floresta do centro do país e a pergunta que constantemente me assolava era só uma: ‘como é possível isto não arder?’ No estado em que se encontra a floresta vai arder de certeza.” Ainda a este propósito escrevi em setembro de 2016 que a área ardida em Portugal é maior que a de toda a Europa: “Por cá o ‘negócio do fogo’ está mal equacionado, pois a grande fatia do investimento é feita num segmento da fileira não rentável, o apagar fogo. Imagine-se o resultado diferente se os mesmos recursos fossem investidos em limpeza, conservação e valorização da floresta.” Chegamos a 2017 e tudo pior que dantes. Um ano e uma comissão interministerial de sete ministros depois, o que mudou? Nada. Somos um país do terceiro mundo (bombeiros voluntários, gente que descansa a consciência com paletes de leite para os bombeiros e roupas para os desalojados…), com riscos, sistemas (comunicações, centro de comando…) e equipamentos (jipes, carros de combate, fardas…) do primeiro mundo.

Continue reading

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan