à beira mar plantados

era uma vez um povo que vivia num jardim à beira mar plantado.     brando clima, brandos costumes.                                                                       vida fácil, tudo a ajudar, até a história.                                                                até que num repente, no meio da floresta de iguais, surge um lobo mau, Sócrates.                                                                                                                                   contrariamente a que este povo pensa essa criatura não está só, tem muitos, mas muitos seguidores, e, muito importante: não surge do nada. pensavam que tudo se resumia a Sócrates?                                                                                                                         santa ingenuidade a deste povo; povo de onde emanam estas criaturas.   a candura imaculada deste Constâncio nunca inspirou confiança. tantos, mas tantos, iguais aí no ativo. Na verdade estes lobos, tipo Capuchinho Vermelho (Constâncio), são os mais perigosos.

by bike

Como, quase, todos sabemos estes tempos estão patetas e querem fazer de nós parvos. Na cidade onde vivo, do dia para a noite, aconteceu o 1º Encontro Nacional de Rotas e Infraestruturas Cicláveis. Ao que lá disseram a propósito do dia da bike (a bicicleta portuguesa) que a UNESCO instituiu (dia 3 de junho). Parece que andamos a fazer grandes descobertas e que usar a bicicleta é uma grande inovação – mobilidade sustentável, todos muito amigos do ambiente etc. Haja paciência. Num repente o transporte dos pobres virou uma inovação só possível aos mais abastados. Fiquei a saber que há uma empresa pública, Infraestruturas de Portugal Património (IP Património) dedicada à grande causa. Neste caso justificada pelas linhas de comboio e estações abandonadas que há uns anos se chamam Vias Verdes. Até quando é que vamos suportar que o nosso dinheiro seja assim estragado? Apesar do Encontro ser Nacional o que valeu a pena foram os exemplos que vieram de fora, designadamente de Espanha. O resto, por cá, é o faz de conta habitual, uma “família” de gente com o interesse nas bikes que governa a vida com a coisa. Como sempre. O presidente da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta informou, com satisfação, que o Ministro das Infraestruturas criou um grupo de trabalho para por ordem na coisa: obviamente que ficamos todos a saber que nada se vai resolver.  Dois singelos exemplos, aqui do lado, mostram o ponto onde estamos. Numa serra despovoada da Andaluzia (como o nosso “desgraçado” interior) há uma destas vias verdes (Via Verde de la Sierra, está tudo na net) com cerca de 36 km que é gerida profissionalmente. Esta infraestrutura, via verde, criou 35 postos de trabalho diretos. Em Girona, na Espanha rica e povoada, foi criado o Consórcio das Vías Verdes de Girona, uma entidade pública de carácter associativo e de natureza institucional e local. O orçamento anual é cerca de um milhão de Euros e as receitas mais de três milhões. E por aqui me fico.

faz de conta…

um pacote de bolachas de 1,8 €, três embalagens, 3 materiais.

viva a charada do ambiente, sustentabilidade e outras tais.

um enorme faz de conta…

bandeira azul

Não nos podemos esquecer que em 2007 o Prof. Marcelo considerou Berardo a personalidade do ano. Este é mundo e o país onde vivemos e que aceitamos.

Enquanto isto, todos os anos por esta altura assistimos ao folclore da Bandeira Azul. Mais um ano que em batemos o recorde do número de bandeiras nas nossas praias.

Será que um dia ainda vamos saber as verdadeiras contas desta coisa?

Por princípio desconfio muito das certificações, selos e bandeiras… De todos os setores, o automóvel, é o mais exigente nesta matéria e o que mais certificações ostenta e exige. Lembram-se do que a aconteceu com a Volkswagen e com outras “respeitosas” marcas? Não preciso de mais nada para a minha generalizada desconfiança sobre este tema.

Durante anos, por funções dirigentes no Ministério do Ambiente, lidei de perto com a bandeira azul e com toda a corte à sua volta. Porque será que a Câmara Municipal de Cascais, desde há uns anos, ignora a bandeira a azul? As dezenas praias de Cascais perderam qualidade? Quanto custa esta fantochada a uma câmara municipal e quanto valeria se esse investimento fosse feito noutros aspetos como a segurança/vigilância? Suspeito que esta paranoia da bandeira bate recorde no nosso país. Em França vi praias com bandeira azul, poucas a têm, onde as pessoas passeiam de cavalo, imaginam isso por cá?

Quanto valeria um outdoor em Vilar Formoso, em Elvas, Vila Real ou na Portela,  do tipo: “País livre da Bandeira Azul” (as nossas praias são excelentes).

abril do Presidente

No 25 de abril ouvi o discurso do Presidente da República no rádio e percebi que é a melhor forma de compreender um discurso, foquemo-nos no essencial: nas palavras e no seu significado. Tenho pena de estar em desacordo com a maioria dos comentadores mas, lamentavelmente, ouvi um conjunto de lugares comuns sem significado de valor, aos costumes disse nada. Também sei que, infelizmente, muito poucos são os portugueses que compreende um discurso sobre qualquer coisa, ainda por cima quando se fala com alguma metáfora. Para os jovens de 74 (ele próprio) e os atuais nada se ouviu que fosse mobilizador. Pensei nos meus alunos, os jovens com quem mais lido, e suspeito que nada perceberam e que nada daquilo lhes interessa. Será que algum deles ouviu o Presidente? Vou-lhes preguntar. Impropriamente ouvi um conjunto de impossibilidades, até “sonhos impossíveis”, a última das coisas que tem impossíveis. Jovens com “sonhos impossíveis”? Povo e pátria com “sonhos impossíveis”? Era só mesmo o que faltava. Se aí chegássemos então podíamos mesmo arrumar as botas. Ouvi que devemos esperar mais da União Europeia e da CPLP. E de nós próprios, o que esperamos? Vamos esperar mais e melhor de nós próprios? Talvez valha a pena e talvez seja esse o (único) caminho. Na verdade há um principio, o da reciprocidade, que nos diz: só podemos esperar mais se dermos mais.

Do Presidente espera-se, na verdade, algo mais.  

políticos

Ferro Rodrigues: “Os políticos não podem ser tratados pior do que cães” (Público)

Comentário de Ana Cristina: “conversa de parvoíce, nunca fui roubada por um cão”


teatro no interior

Em Évora, na sexta feira fui ao teatro, aos Celeiros da EPAC.  Bons artistas, bom espectáculo. Como professor/estudante paguei três euros. Estavam cinco espectadores, os artistas eram três, fora todo o outro pessoal envolvido, desde a menina que vende os bilhetes… Bem sei que já paguei muito mais através dos impostos absurdamente elevados sobre o meu trabalho que o Estado me cobra. Também sei que há pequenas cidades do interior, por exemplo a Covilhã, onde as salas esgotam e as representações têm que ser repetidas para satisfazer a procura. Isto faz-me pensar. Esta realidade de Évora, esta pobreza, não é de agora. Sempre assim foi. Não é só centro histórico que está em ruínas, as calçadas estão impróprias, a iluminação publica é deplorável (já repararam na principal entrada de Évora, as portas do Raimundo?), as marcações horizontais são inexistentes… Em Évora há uma Universidade com uma Escola de Artes. Quantos alunos e professores do Departamento de Artes Cénicas viram este espectáculo? E dos restantes? Évora é a cidade que pretende ser cultural e que é candidata a capital europeia da cultura 2027: rimos ou choramos? Isto não é uma interpretação pessoal ou política da coisa, isto não é um texto de opinião, são factos. Só não vê quem não quer, ou não pode. Estamos, pois, perante uma encruzilhada muito difícil de resolver. Não há solução mágica para Évora. O país não nos vai ajudar, antes pelo contrário. O país está de tanga, como nunca esteve. Já perceberam isso? O que fazer? Como mínimo, para começar, é incontornável abrir os olhos.

évora no seu pior

Há muito que tenho a profunda convicção que, para alguns, governar na pobreza é uma opção estratégica de sobrevivência. Em Évora, com umas duas décadas de atraso como mínimo, o atual executivo anunciou, no início do seu primeiro mandato, que Évora iria ter um parque de autocaravanas. Mal e porcamente, cerca de 5 anos depois, surgiram, junto à piscina do AMINATA, umas placas de parque de estacionamento a anunciar a coisa. Esta coisa começou mal, continuou muito mal e não pode ficar bem. Não pode ficar bem porque, na verdade, a opção não é fazer desta terra uma terra rica. Ao atraso de 20 anos, seguiu-se uma embrulhada com o convívio entre “povos nómadas”, ciganos e auto-caravanistas.

Como estes tempos andam patetas, impõe-se uma nota: quem me conhece sabe que sou admirador do povo e cultura cigana, a questão fundamental não foi essa. Estamos agora na fase de um “parque de autocaravanas” que apenas tem o nome… Quem passa pela zona ao final do dia, ou de manhã, compreende que a coisa tem muito potencial. Por isso incomoda muito que Évora não tenha um parque de autocaravanas com qualidade distintiva para uma grande lotação, 100? Este parque, fortemente arborizado, e com várias infraestruturas de apoio, convidaria esta, cada vez mais, significativa tribo, não só a pernoitar em Évora mas a permanecer por cá mais tempo. Já agora a coisa devia existir também para camionistas e motociclistas, com as suas especificidades e óbvia separação física. Pode haver esperança?

verdade


As perguntas fundamentais e verdadeiras: 
temos dinheiro para pagar o Estado que temos?
ou, mais exatamente, temos dinheiro para pagar o Estado de que precisamos?
ou, indo mais longe, temos dinheiro para pagar o Estado que, por comparação com a Europa, achamos que devíamos ter?
a resposta a estas três perguntas é não.
(Vasco Pulido Valente)
faço eu a última pergunta: o que fazer?


serviço público

Pouco, ou nada, nos deve interessar se este ou aquele serviço é fundido com outro, se fecha ou abre. O que verdadeiramente nos deve importar é a qualidade desse serviço e quanto é que isso nos custa; o que todos temos que exigir são melhores e mais eficazes serviços públicos. Não é admissível que em qualquer terra um simples licenciamento, requerido por um cidadão, fique anos à espera, eventualmente de um melhor estado de humor do arquitecto ou outro decisor. A gravidade deste tipo de situações, que infelizmente todos conhecemos, ou até vivemos, é maior quando estão envolvidos fortes interesses económicos e sociais.

Continue reading

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan