Lisboa

Tão fácil. Junta-se um grupo de amigos, os que decidem a nossa vida, e Lisboa fica verde, nada menos que Capital Europeia. Quem fica horas nas filas da A2, A5 ou IC19 pensa que vive noutro planeta. Quem é escorraçado da cidade, cada vez mais desumanizada, para as terras “longínquas” dos arrabaldes, de costas para tudo o que vale a pena em Lisboa, não pode acreditar nesta coisa. Um lisboeta em Lisboa é um bem raro, a cidade, o que resta de Lisboa, é do turista e dos estudantes Erasmus. Pensa-se um pouco, “capital verde europeia”, do que estarão a falar? Quem viveu em Lisboa e volta lá de quando em vez sabe que esta ideia, cada dia que passa, é mais mentirosa. Quem sofre em Lisboa todos os dias fica incrédulo. Esta é a magia dos nossos dias. O presidente Fernando Medina, numa distração de verdade, diz que “acima de tudo, é uma convocatória de ação para o município, para o Estado…”, isto é, vamos começar agora, agora é que é. Uma das grandes ações é a “praia” de Lisboa. Daqui a dois anos, depois de estudos, Lisboa vai ter uma “praia”, isto é, uma piscina no Tejo. A capital europeia, e quiçá do mundo, que tem as melhores praias, lembrou-se de fazer uma “praia” no Tejo. Sim, as melhores praias da Europa estão na Caparica, em Sintra, Cascais, Oeste, Arrábida, Sesimbra e Tróia. Esta obra, que não vai fazer mais feliz nenhum lisboeta, é para aproximar as pessoas do rio e compara-se ao que se fez no rio Sena, em Paris, uma cidade no meio do continente. É mau e miserável de mais para ser verdade. É assim que os milhões dos elevadíssimos impostos que pagamos se estragam, faltando para o importante e essencial. É pensar mal, muito mal, e sobretudo para dentro de Lisboa, tudo o que de muito bom está à volta não conta,  “Lisboa no seu pior”. Por si, quando estiver parado na A2, ou de pé e desconfortável no comboio, pense um pouco pela sua cabeça. Deixe de ser indiferente e evolua, como apela o sítio oficial da coisa.

Deixe uma resposta

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan