turismo 2027

Depois da invasão espanhola na Páscoa apetece voltar a escrever sobre turismo. Bem ou mal o turismo toca em tudo o resto que se possa escrever; talvez por isto este tem sido, sem dúvida, o tema que mais tenho escrito nos últimos tempos. Recentemente saiu à luz o documento estratégico – não se sabe até quando(?); pelo menos desejamos que até este governo se mantenha em funções. Os próximos 10 anos de turismo em Portugal estão aqui bem estudados, é obra. Enquanto a quantidade for uma realidade quase tudo é fácil.

Continue reading

trabalho e emprego

Por estes dias, um colega, reitor numa universidade brasileira, veio visitar-nos. A dada altura comentou algo que todos sabemos mas que a maior parte das vezes fingimos não ser assim: “faltam empregos mas não falta trabalho.” Lá, no Brasil, como cá. Na verdade, incomodam-me muito as paisagens sociais e económicas que vemos à nossa volta. Pelos vistos, a questão é global. O problema é complexo e, como tal, não tem solução simples. Apesar desta realidade, há duas questões que me parecem essenciais para abordar tão complexo problema: a dicotomia direito-dever e a dimensão local da coisa que assume vários nomes, designadamente “suficiência local”.

Continue reading

festa e automóveis na escola

Primavera, verão e eleições autárquicas é certeza que vamos entrar em festa. Festa continua onde a imaginação não tem limites. Basta passar pelas nossas terras e estradas e os plásticos pendurados em tudo o que é sitio, a maioria com extremo mau gosto, não nos deixam ter dúvidas. Não há lugarejo e fim de semana em que não aconteça muita coisa. As grandes questões à volta do tema são muitas e significativas. Será que estes eventos contribuem positivamente para o bem estar e qualidade de vida de quem lá vive? Qual é a eficácia do investimento? Esta é mesmo a melhor opção? Uma coisa é certa, desde logo, a ideia dos plásticos pendurados por tudo o que é sítio é poluição visual e outra que não se recomenda. Quando isto acontece num centro histórico, à entrada de uma cidade, pior ainda. Mas há, pelo menos, uma outra questão pertinente. À parte o maior ou menor valor da temática que justifica o evento há sempre um programa musical associado. Está claro, e é assumido, que os ditos músicos servem para atrair gente à coisa. Perante esta realidade as minhas orelhas ficam desde logo muito arrebitadas. Significa isto que o tema e motivo, “a causa da coisa”, que justifica organização do evento, só por si, não é suficiente para atrair pessoas e ter público? Se assim é porque se faz? As respostas, certamente muito válidas, devem ser quase infinitas provavelmente com a dimensão e aposta cultural à cabeça. Portanto daqui se conclui que a Feira Nacional da Agricultura, necessita do Quim Barreiros para, eventualmente, vingar e justificar a realização do certame. Se olharmos para os plásticos pendurados por todo o lado o que salta à vista são os  artistas.

Continue reading

tejo a pé – Tramagal

Num destes fins de semana cerca de 40 pessoas essencialmente oriundas de Lisboa pela mão do Tejo a pé andaram no Tramagal. Na verdade a mão foi a da empresa local Terradágua sobre qual já aqui escrevi uma vez. O programa pelos trilhos do Tejo foi magnífico, todos os participantes o reconheceram. Apesar de saber alguma coisa do tema não faço ideia quanto pode valer um programa destes para um turista do norte da Europa? Sei que é muito dinheiro. Bem a propósito dos meus anteriores escritos (“Amazónia no rio Mira” e turismo de natureza) mostra-se assim, na prática, como se faz. Na verdade, como quase sempre, à porta de casa temos o que andamos à procura. O que a Terradágua fez no Tramagal é um exemplo prefeito de um produto com um enorme sucesso onde a natureza é viva e vivida sendo a comunidade local o motor. Esta é uma excelente forma de dinamizar a economia e cultura locais. Acrescente-se que para bem começar o dia iniciou-se pela visita à adega do Casal da Coelheira, a cultura e produtos locais, como deve ser,  enriqueceram o programa. A confirmá-lo, e de que maneira, foram as iguarias saboreadas ao almoço; façam o favor de registar estes nomes: restaurante Braz e D. Jacinta à volta das panelas. Quase em todas as terras há alguma coisa deste tipo, capaz de criar valor e riqueza. O maior argumento do turismo na natureza é o, incontornável, envolvimento da população – muito para além de fazer camas e aparar relva em hotéis de cinco estrelas, o que oferece o outro turismo.

Continue reading

turismo de natureza

Para não variar, o turismo continua na ordem do dia. Durante a semana passada decorreu a Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), o grande certame do setor em Portugal, e foi a oportunidade de sabermos mais sucessos desta galinha dos ovos de ouro.  Claramente não embarco nesta euforia. Bem vistas as coisas, esta indústria de cada vez mais gente ir para mais longe, mais rapidamente e por menos, é um produto do nosso tempo com uma fatura de valor incalculável, inevitavelmente, a cobrar um dia, como sempre. Entretanto, andamos distraídos e contentes.

Também há poucos dias, na bonita e raiana terra do Alandroal, decorreu um encontro sobre turismo de natureza, segundo a própria organização realizado 20 anos depois do primeiro. Suspeito que a conversa terá sido muito semelhante. Todos os que por aqui vivemos neste interior o lamentamos, mas na verdade, mesmo que o presidente Ceia da Silva diga o contrário, não existe turismo de natureza estruturado em Portugal. É absurdo, mas é verdade. É absurdo, porque temos um potencial único na Europa e porque este é efetivamente o tipo de turismo que por todas as razões mais nos interessa  – designadamente, porque é aquele que cria mais riqueza e é mais sustentável. As questões de base, eventualmente tocadas no Alandroal, estão longe de estarem resolvidas.  Além disso, não existe uma opção estratégica do país nesta matéria. Se ouvirmos o “mais que todos” presidente do turismo do Tejo, Além e Riba, falar de turismo religioso, do sol e praia, golfe, ou outra coisa qualquer, o discurso entusiasmado e enaltecedor é igual, apenas depende do palco e da hora do dia.

Continue reading

acção pela biodiversidade

rio Mira

o capital natural ignorado e mal tratado em Portugal.

um país pobre que proíbe em vez de incentivar à natureza viva e vivida.

“Perscrutar os segredos do Mira, o rio mais monitorizado do Alentejo”

 

nomadismo/sedentarismo

este foi o tema que Carlos Dugos nos trouxe à Conversas de Cesta.

o tempo e o espaço como pilares de dois modos de vida.

o simples e o complexo.

o eterno contencioso entre o viver no espaço e agir no tempo ou a inversa.

será que o betão nos prende?

voltamos dia 26 com pensamento positivo por Florbela Dias.

a mística do instante

Cruzamentos (série 4)

15 Março

Igreja de São Vicente, 21:30

Carlos Cupeto apresenta

A mística do instante (2014), de J. Tolentino de Mendonça

«A forma como nós lidamos com o tempo é anómala porque deixámos de ter tempo. O tempo é uma invenção humana, mas nós nunca temos tempo. [Urge] Uma reconciliação profunda com o tempo, com os ritmos mais humanos, com a necessidade do descanso, do repouso, da sedimentação, para que cada um de nós possa sentir-se habitado, sentir o sabor das coisas pequenas […]»

J. Tolentino Mendonça

Ler Tolentino Mendonça é esbarrar na simplicidade da vida que tanto gostamos de complicar. Independentemente da crença, ou da religião de cada um, Tolentino Mendonça é uma referência e um pilar da cultura contemporânea portuguesa. «Ler as páginas de Tolentino é realizar uma experiência de amizade. As suas palavras são palavras privadas ditas em público. São acolhedoras porque mantêm a raiz profunda da experiência e abrem a um diálogo em que o leitor se sente protagonista», escreve Antonio Spadaro, director de La Civiltà Cattolica (Itália).

Na verdade as palavras e as ideias em Tolentino Mendonça assumem uma dimensão e um sentido únicos; até o mais complexo dos temas ganha uma simplicidade e clareza que nos conforta e ajuda nos grandes desafios, tanto quotidianos quanto existenciais. É esta vocação quotidiana, prática, local, próxima e pessoal que nos transporta para o essencial. Nestes tempos de grandes desafios globais e pessoais, «a mística do instante é uma declaração de amor à vida e um empenho na construção de um futuro comum.»

Carlos Alberto Cupeto nasceu em Cano / Sousel. Licenciou-se em Geologia na Faculdade de Ciências de Lisboa., tendo regressado a Évora, onde se doutorou em Hidrogeologia Ambiental e onde é professor universitário há mais de 30 anos. Foi membro do quadro dirigente do Ministério do Ambiente durante 10 anos (INAG, ARH do Tejo, APA). Realizou assessoria ambiental para a ASSIMAGRA e CEVALOR durante vários anos, tendo desenvolvido e implementado a política ambiental no sector das rochas ornamentais. Foi fundador e director durante vários anos da Associação Portuguesa das Empresas de Tecnologias Ambientais,

Assessor Técnico e Delegado Regional da Unesul – Associação Universidade Empresa do Sul – e director da revista Indústria & Ambiente, durante quase 10 anos. Esteve envolvido num grande conjunto de projectos de cariz nacional, tendo cerca de meia centena de trabalhos publicados. Carlos Cupeto possui também Carteira de Jornalista, tendo um blog onde partilha a suas experiências, preocupações e agitações (www.otrosmundos.cc).

Inscrições e informações

jaf@escritanapaisagem.net ou 931763350.

Cruzamentos (série 4) é um projecto da Colecção B, com curadoria de José Alberto Ferreira. Tem o apoio da Direcção Regional de Cultura do Alentejo, da Fundação Eugénio de Almeida e da Câmara Municipal de Évora.

coisas de vinho em Évora

esta é a grande tertúlia do vinho do Alentejo: Coisas de Vinho.

na última quinta feira do mês, um convidado, um tema, e um produtor e um local – o vinho e tudo à volta.

o brilhante Professor Francisco Ramos da Universidade de Évora vai falar do que muito sabe como só ele sabe – verdadeiramente imperdível.

tabernas, arte e ciência.

a boa conversa e um copo de vinho.

sinta-se convidado e convide.

Proudly powered by WordPress
Theme: Esquire by Matthew Buchanan.