psd/chega

o acordo dos Açores é conhecido e a montanha pariu um rato.

a esquerda socialista, com hábitos de donos da democracia e juiz do que é bom ou mau, desde sempre pratica o terrorismo do medo.

desde sempre que gosta de distrair o povo do importante e essencial. Os mais antigos lembram-se:

“Sá Carneiro caloteiro paga a dívida”, uma calúnia que encheu as paredes do país… é assim. Pobre povo que estás cada vez mais na pobreza e que não te deixam sair da miséria. Só assim sabem e podem governar.

botas

as botas sobre todas as coisas.

[publicado no Notícias do Mar de outubro de 2020]

Enquanto o “bicho” não nos deixa andar em grupo livremente pelo campo, preparamos-nos para andar.

Como em tudo o equipamento adequado é meio caminho andado. Umas calças leves e uns ténis servem., mas, as calças e umas botas próprias para andar são melhores.  Todo o equipamento para uma caminhada é importante, a começar pela mochila. Nunca troque uma mochila por nada, o peso, mesmo pouco fica bem distribuído, as mãos livres etc. Mas o nosso foco vai para o mais importante para fazer uma caminhada confortável e segura, o calçado, botas ou sapatos de caminhada – vamos usar o termo “botas” mas a sua escolha podem ser uns sapatos; a maior vantagem das botas é a proteção dos tornozelos.  Poucos equipamentos evoluíram tanto nos últimos anos como as botas de caminheiro. Referimos-nos a botas ligeiras, para andar, e não a botas de montanha. São as botas que nos levam ao nosso destino. Temos de ter em atenção que, ao escolher o calçado, estamos em simultâneo a proteger a coluna vertebral e as articulações, que são ameaçadas pelo contacto dos pés contra o solo, além dos próprios pés. Saibamos desde já que as “botas todo-o-terreno” não existem. Há uma “bota” para cada atividade. Dentro das dezenas de marcas e das centenas de modelos há as botas que mais se ajustam às suas necessidades. Normalmente os especialistas recomendam as botas de trekking, pois este tipo de botas possui sola aderente e protecção para os tornozelos. A nossa experiência diz-nos que botas são botas e as vantagens de as usar são imensas. As botas é onde não se pode poupar, ao fim de algumas dezenas de quilómetros e alguns anos vai verificar que valeu a pena.

Por último, nunca se devem estrear botas para iniciar uma caminhada, mas sim utilizá-las previamente durante umas semanas, na falta de melhor quando vamos passear o cão.

Todos os meses, uma caminhada acessível a todos, sem custos, onde a motivação é o viver a natureza. Para caminhar no Tejo a pé, logo que seja possível, basta enviar um mail a cupeto@uevora.pt.

(texto adaptado de: Fugas a pé, um guia para caminhar, disponível na loja online do jornal Público)

mochila

fotografia, José L. Diniz

[artigo publicado no Notícias do Mar em novembrode 2020]

Caminhar, como qualquer outra actividade, para ser gratificante exige equipamento adequado.

Para uma boa caminhada há uma regra fundamental, ter prazer no caminhar e deixar em casa todos os problemas e assuntos que o acompanham todos os dias. Desde logo há uma pergunta fatal, incontornável, que todos os caminheiros colocam à partida; “quantos quilómetros são?” Para além da condição física e condições climatéricas nunca devemos esquecer o equipamento. O mês passado escrevemos sobre botas, hoje é a vez de uma outra peça de enorme importância, a mochila. No que me toca fica de fora qualquer outro tipo de saco, coletes com infinitos bolsos, onde nunca tenho à mão a navalha porque me esqueço do bolso onde a pus, etc. Mochila é mochila.

Para muitos a mochila é o símbolo da liberdade. Deve ser cómoda, leve, robusta e prática – a organização e a acessibilidade aos diferentes sectores é essencial. Nalgumas situações o carácter impermeável pode ser uma característica importante. Todavia, no mercado existem capas muito simples e práticas, provavelmente a melhor solução. Alguns dos modelos hoje existentes incorporam a capa impermeável. O tipo e tamanho da mochila para uma caminhada varia consoante o tipo de percurso e a sua duração. De qualquer modo deve ser resistente, com apoio lombar, alças acolchoadas e ajustáveis à cintura. A mochila ideal será aquela que depois de cheia, e com as alças bem reguladas se adapte perfeitamente à região lombar, sem ultrapassar a altura das ancas ou forçar a coluna vertebral.  Todavia, subsiste a pergunta: como escolher uma mochila? Como sempre o mercado hoje não nos facilita a vida, na hora de comprar a oferta é infinita. Para uma caminhada de um dia será necessária uma pequena mochila (que no máximo leve 3 – 4 kg de peso), para uma caminhada de mais dias o tamanho da mochila terá de ser maior, mas o peso a transportar nunca deverá ser proporcional. Não há, no entanto, necessidade de comprar duas mochilas diferentes, para fazer face a dois percursos de duração diferente. Deve-se comprar uma suficientemente grande, mesmo que haja alguns inconvenientes de carregar uma mochila meio vazia. Para satisfazer esta necessidade uma mochila com capacidade de 25 a 35 litros constituirá a opção mais acertada. De salientar que a mochila vazia deve pesar aproximadamente 500 gramas. Depois da escolha, seguem-se mais algumas perguntas, como arrumar a nossa mochila? O que levar? … A prática ensina-nos. No fim, o fundamental: leve tudo o necessário com o menor peso possível. E, nunca esqueça, tanto pesa o que levamos inutilmente como o que esquecemos em casa e nos faz falta.

Todos os meses, uma caminhada acessível a todos, sem custos, onde a motivação é o viver a natureza. Para caminhar no Tejo a pé, logo que seja possível, basta enviar um mail a cupeto@uevora.pt.

(tudo isto e muito mais no Fugas a pé, um guia para caminhar, disponível na loja online do jornal Público)

saúde e interior

Como assumido convicto do valor do interior tudo me conduz ao up local, em oposição ao modelo que nos trouxe até aqui: globalização – produzir, consumir e crescer, o tal ciclo diabólico.

Acredito convictamente na vida local porque tudo o essencial à vida, como os recursos indispensáveis (solo e água), são locais. Entretanto, este país é inundado por estudos e estratégias para tudo o que se possa imaginar e que só servem para produzir papel e nos distanciar do importante, da vida. O interior, aquela coisa pobre, cinzenta e velha, até teve direito a uma Unidade de Missão que entretanto, como sempre, se esfumou sem deixar rasto. Agora mesmo, com o Dr. Ceia da Silva, o Presidente da CCDR – Alentejo “democraticamente” eleito, é que vai ser: vamos tornar esta região colorida, rica e jovem. As oportunidades não vão faltar e casais jovens, portugueses e estrangeiros, sem filhos, vão-se acotovelar para viver e trabalhar no interior. Sem filhos porque, entretanto, algumas más línguas, dizem que a “pediatria retrocedeu em Évora”. Como povoamos com jovens uma região que não responde satisfatoriamente nos cuidados pediátricos? E no resto da saúde, será que estamos bem? Tenho a certeza que o “competentíssimo” Concelho de Administração do Hospital do Espírito Santo de Évora e Administração Regional de Saúde respondem com um inequívoco sim. Esta miséria governativa vai-se perpetuando e consolidando aos mais variados níveis. Trata-se de uma enorme classe inútil e incompetente que assaltou os lugares de decisão e gestão e se protege e sustenta com todas as armas que tem sem olhar a meios e processos. Enquanto isto, idosos doentes aguardam em filas à porta dos centros de saúde, e o número de óbitos dispara; para compensar somos inundados por uma agressiva campanha de marketing para a vacina da gripe que não está nas farmácias.

Até quando este povo assobia para lado? Depois queixem-se dos populismos.

ridículos

O ridículo é uma das palavras chave deste tempo. Eles rodeiam-nos por todo o lado. A coisa assume tal dimensão que às vezes me interrogo se estou certo do que vejo e lembro-me de Anais Nin, escritora francesa (1903-1977), que nos diz, “não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos”. O ridículo poderei ser eu. Até aqui tudo bem, o pior é quando a coisa passa algumas fronteiras e roça a aquela “qualidade” que nada resolve e a todos prejudica, a estupidez.  Dos que mais me custa aceitar é a “grande a oportunidade que temos com digitalização”. Contam-nos esta estupidez e exigem que acreditemos, no enorme benefício da digitalização da economia, do ensino, da vida… Não bastam as dificuldades que todos passamos, sobretudo os de sempre, os mais desfavorecidos, cada vez em maior número, como ainda assobiam para o lado a fazerem de nós parvos. Como esta há dezenas de exemplos diários, em todas as dimensões e escalas. Acredito que muitas vezes nem os próprios autores acreditam no que dizem e fazem.  Neste tempo falta bom senso e o fundamental, verdade. Provavelmente este é um dos bens, cada vez, mais raro e escasso. Quando sabemos que a palavra “crise” tem na sua origem grega o significado de “verdade” maior é a razão para perseguir esta qualidade. Os meus olhos veem o caminho contrário; estamos cada vez mais longe das verdades necessárias à nossa Paz e Bem.

corrupção e justiça

No que respeita à corrupção e justiça o António Barreto no Público de 27 de setembro escreve assim:

“os principais responsáveis pela política e pela justiça querem que as coisas fiquem como estão, pois é o que lhes interessa e dá vantagens.”

quem são estes responsáveis políticos? O Costa, Marcelo, geringonça (Jerónimo e Catarina), Ferro Rodrigues, Rio, etc.? Se não são estes quem pode ser?

É bem verdade que é a estes a quem mais interessa a pobreza e a miséria, asseguradas pela corrupção e inexistência de justiça. Só assim, com um povo sem voz,  é que os medíocres conseguem governar.

medo

Neste tempo de grandes incertezas e desafios o medo é a maior das verdades. Acontece que o medo é, também, o maior dos vírus. Se o corona é mau o que diremos do medo? Desde os primórdios dos tempos até hoje o medo acompanhou o Homem, é o seu maior obstáculo. Temos muito medo do desconhecido, assim é desde o tempo das cavernas. É por isto que gostamos de tudo o que nos contam sobre o “bicho” que condiciona a nossa vida essencialmente pelo medo. Devoramos milhares de estudos, muitas vezes contraditórios, com avidez, quase como uma primeira necessidade. A maioria das vezes o efeito é contraditório e ficamos ainda mais distantes da verdade, quiçá com mais medo, mesmo que escondido. É neste caldo que os ridículos proliferam como nunca e, às vezes, até os aceitamos como bons: visitar uma igreja no centro histórico de Évora que ostenta o Clean & Safe é muito mais seguro do que se não tivesse lá o pateta autocolante. Gastam o dinheiro dos nossos impostos com estes folclores e depois falta para a saúde, educação, justiça e cultura. Será que um hotel antes de ter este autocolante na porta não era suficientemente limpo, higiénico e sanitariamente seguro? Esta coisa barra a entrada do bicho no hotel? O mais ridículo de todos os Clean & Safe vi-o num tuk-tuk, lindo, para sustentar a minha razão.

Entretanto “vamos ficar todos bem”, “ninguém pode ficar para trás” e inúmeras versões de “os ricos que paguem a crise”. É este o quadro de manipulação, de um povo cada vez menos livre, onde o medo gosta de viver e crescer. “Viva” a dependência do Estado, do subsídio, das boas medidas do governo.  Na verdade, o vírus não é nada democrático e, há cada vez mais vizinhos mais pobres. Todos nós estamos mais pobres.

Nunca como agora necessitamos tanto de verdade, pela nossa própria cabeça e vontade. Vamos perder esta oportunidade? Tudo nos diz que sim.

oportunidade

Uma das grandes certezas deste tempo é a crise rodear-nos por todo o lado. Todavia, segundo o ancestral saber grego, crise (krisis e krino) significa uma oportunidade de escolha e um convite à verdade. Escolha e verdade são pois dois caminhos incontornáveis neste tempo de incerteza, medo e, necessariamente, mudança. Mudar para quê se a “grande conversa” e vontade, mais ou menos explicita, é voltar ao “normal”. “Normal” que, como todos mais ou menos sabemos, é um somatório de enormes anormais.  Num repente, uma contingência global e aparentemente significativa leva-nos, no mínimo, a questionar alguma coisa sobre o nosso modo de vida. É normal viajar para Londres por trinta Euros? É normal uma garrafa de vinho custar menos de dois Euros? Onde está o custo trabalho do viticultor, do enólogo, da garrafa, rótulo, rolha, transporte, comercialização etc., etc. Onde fica a verdade que a crise nos exige? Talvez os donos da democracia, os juízes da moral que por aí proliferam, um dia nos digam por onde anda ela. É bom gozar alguma liberdade, quem a pode ter, mas é incontornável validá-la com a responsabilidade perante os outros. Almada Negreiros terá dito “as palavras dançam nos olhos das pessoas conforme o palco dos olhos de cada um.” Acreditamos que  o clean & safe do turismo nos vai salvar – basta por mais uns muitos milhões na TAP. Será que os juízes do “certo-errado” nos deixam acreditar em nós próprios, nos nossos recursos e na nossa capacidade para criar riqueza? A verdade, isto é, a crise, exige-nos que deixemos de assobiar para o lado, a olhar para Bruxelas e a esquecer significativas franjas do submundo português que diariamente navegam à tona da miséria para sobreviver. Milhões de portugueses reféns da pobreza à espera da caridade pública e privada. Finalmente temos a oportunidade de acreditar na nossa terra, nos nossos recursos e no mérito das nossas pessoas. Se lá fora vingam exemplarmente porque não o conseguem fazer cá? Será que há por aí uma classe dirigente decisória que não está interessada no nosso sucesso como nação? Viva o up local, a grande oportunidade para ermos mais felizes e ricos na nossa terra.

mudar de atitude

Mesmo que a maioria olhe para o lado e o negue, o medo domina a nossa vida, muito mais do que o miserável vírus. O medo leva-nos ao instinto de segurança. Para além de segurança há apenas, e só, mais duas palavras essenciais para nós; recursos e abrigo. Sempre assim foi e será. Todos temos de garantir os recursos mínimos de sobrevivência, água, energia e alimentos no topo, e, um abrigo confortável (e seguro), se possível com jardim, piscina e grande garagem…, o sonho mais pateta deste modo de vida. Com os países é igual. Por cá, confiamos tudo isto, o mais essencial, ao Costa, Jerónimo e Catarina, o Professor Marcelo sustenta e o Rio empurra. A maioria dos portugueses estão descansados. Outros, um número (milhões) cada vez mais significativo, que vive no submundo da pobreza, diariamente não pensa além de conseguir algum alimento, o mais provável pela caridade do todo poderoso e “protetor” Estado e de particulares. Uma ínfima minoria como tem inquieta-se. Enquanto isto, os nossos guardiões, em cima citados, fazem-nos acreditar que os amigos europeus existem para nos salvar, sempre que pedinchamos ajuda. Acreditamos nisto, somos um povo pobre, profundamente inculto e muito fácil de governar. O habitual é esbanjar recursos e entornar dinheiro em cima dos problemas sem nada resolver. Gostamos do faz de conta. Pouco do essencial é feito, isso implicaria muita verdade e mudança profunda de atitude, aquela pequena coisa que faz toda a diferença. Assumir o nosso destino na nossa mão é coisa que nem nos passa pela cabeça; para quê a suficiência alimentar se os outros produzem muito mais barato e tudo nos cá chega já embalado e pronto a consumir? Basicamente vivemos de estratégia em estratégia à beira mar plantados. Há dias, quatro ilustres professoras amigas juntaram-se e escreveram mais uma estratégia para a nossa salvação (www.2030.pt). Isto sim, é o que nós gostamos, estratégias e planos, uns atrás dos outros.

Ri palhaço, chora homem, sofre cão.

Como saímos deste beco?

democracia socialista

ao fim de quase 50 anos de democracia o socialismo chegou aqui.

avante kamarada, o povo é quem mais ordena.

miserável povo que aceita esta ditadura.

https://www.publico.pt/2020/09/02/politica/noticia/ps-escolhe-jose-apolinario-comissao-coordenacao-algarve-1929993

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan