Borba um ano depois

o país que somos. Necessitamos de melhor Estado e melhores empresários.

https://www.publico.pt/2019/12/09/sociedade/opiniao/borba-ano-1896143

Assim, sem tir-te nem guar-te!…

A expressão «sem tir-te nem guar-te» visitou-me hoje. Meia hora depois, alguém…

Isto vem a propósito de um encargo que de repente, sem aviso… me foi cometido. É uma frase feita da nossa língua, mais ou menos comum, pelo menos em uso literário… Tir(a)-te, desvia-te, guar(da)-te!…

Há maneiras de falar e palavras mais próprias de certas zonas do país. A mesma coisa pode ter nomes ou qualidades diferentes. Fui-me lembrando do que ouvi ao Prof. Carlos Cupeto em recente passeio-caminhada pelas arribas do Alcabrichel (Porto Novo – convento velho de Penafirme – arribas – vale – Porto Novo). Falou da influência do território, do chão, sobre a vida e cultura dos que nele vivem e pisam. Deu o exemplo das cantigas de Borba, Vila Viçosa e outras terras alentejanas. Não são o chamado cante alentejano. São muito características e formam, por assim dizer, uma zona demarcada.

Lembrei logo o que diz Fernão Lopes no prólogo da Crónica de Dom João I; que a afeição mundanal dos que «tiveram carrego de ordenar histórias» dos senhores «em cuja mercê e terra viviam» os levava a encarecer os feitos bons, mas a tratar mais miudamente os menos bons ou maus…; a «mundanal afeição» significa parcialidade. Além do longo costume e tempo, a conformidade entre o entendimento e a terra tem outra causa, «que é a fome, recebendo refeição para o corpo, o sangue e o espírito gerados de tais viandas têm uma tal semelhança entre si que causa esta conformidade».

Cupeto falou, se bem me lembro, da qualidade de vinhas e das saias, que conheci por ter vivido vários anos em Estremoz.

Curiosamente, tive há dias um presente de amigo recente, alentejano de Santa Eulália, perto de Campo Maior. Sabedor, de conversa, parceiro de excursão da AUTITV, do interesse por estas coisas, ofereceu-me uma colecção de saias, que guardo, juntamente com recolhas de décimas e outros versos trazidos da minha experiência estremocense. Aqui ficam algumas saias…

O Senhor da Piedade /Tem vinte e quatro janelas / Quem me dera ser pombinha /Para pousar numa delas / Quem me dera ser pombinha / Para pousar numa delas / O Senhor da Piedade / Tem vinte e Quatro janelas

Eu não sou como a figueira / Que dá fruto sem flor / Não olhes para mim, não olhes / Eu não sou o teu amor / Não olhes para mim, não olhes / Eu não sou o teu amor / Eu não sou como a figueira / Que dá fruto sem flor

Trago dentro do meu peito / Ao lado do coração / Duas palavras que dizem / Amar-te, sim, deixar-te, não / Duas palavras que dizem / Amar-te, sim, deixar-te, não / Trago dentro do meu peito / Ao lado do coração.

Ferreira Patrício

a neve da Greta

A Greta chegou à doca de Santos e ali perto, em Algés, há neve, gelo e tudo o mais a que um povo pobre tem direito. Greta trouxe neve. Em Algés, como em todo o país, o Natal  é a oportunidade para uma grande, cara e escandalosa parvoíce: pistas de gelo, arte em gelo e até neve. Enquanto isto, uma gaiata de 16 anos vem cá dizer-nos o que temos de fazer e é recebida com pompa e circunstância, quase com honras de Estado. Não há santa terrinha que não tenha uma pista de gelo. Será que as infinitas pistas de gelo, uma verdadeira aberração cultural e ambiental, não incomodam os PAN da nossa vida? Já alguém questionou esta moda do Natal como se estivéssemos na Suécia? Haja paciência. Acontece que, “ao lado”, massacram-nos com palermices mentirosas como grandes arautos e salvadores da Terra. Alguém, para além do nosso ministro do Ambiente, “que tudo faz, sem nada fazer”, já fez alguma coisa significativa e que valha a pena para a grande causa da emergência climática? Já repararam que apesar das sucessivas cimeiras, relatórios e discursos inflamados, os indicadores são cada vez piores? Querem que os levemos a sério? Querem que fiquemos entusiasmados com os discursos do Guterres? A retórica é irrepreensível, e o resto, a ação? Engº Guterres, pelo menos, diga-nos: como se faz? Quem, que setor, dá o primeiro passo? Será que aceitam falar seriamente no turismo depredador assente no low cost e no consumo máximo? Não há transição possível, só mesmo rotura, ou vamos bater no muro de frente e aí, sim, a coisa muda. Se os dinossauros nos pudessem contar como foi… Já agora, com que dinheiro são pagas as pistas de gelo e qual o custo ambiental de uma cretinice destas? Será que nenhum senhor deputado se interessa por esta matéria?

ordenado mínimo

Imagine o leitor que, para viver, a sua família necessita todos os meses de 2,5 vezes os recursos que tem disponíveis (no frigorífico, na dispensa, no banco etc.). Não é preciso ser especialista de qualquer coisa, ou pensar muito, para saber qual vai ser o fim. Portugal é assim, para a vida que temos, necessitamos todos os anos de 2,5 vezes a área do nosso país: 2,5 países para termos os recursos que consumimos. Esta é a nossa miserável sustentabilidade. A legislatura arranca com o tema “acordo social” e “aproximar os ordenados dos trabalhadores do lucro das empresas”, segundo as palavras de António Costa. Na verdade, o ordenado mínimo de Portugal, e os outros, o meu e o seu, são miseráveis; só comparáveis à nossa produtividade. Acontece que ninguém fala nesta última, que não se altera com “conversa política”. Como qualquer um de nós percebe, as contas desta equação, ordenado-produtividade, não vão dar bom resultado. Nessa altura, cá estaremos para, mais uma vez, nos baterem à porta e nos pedirem contas.Para ter a certeza do que aqui escrevo consultei  alguns amigos empresários, de todos o quadrantes políticos, designadamente do PCP. A resposta foi unânime e infelizmente tenho razão. Vivemos então num tempo de “faz de conta”, de mentira, do tipo “nunca pareceu estar tão bem e está tão mal”. Para  começar a inverter a coisa, e podermos ter melhores ordenados sustentadamente, é bom que cada um comece a pensar pela sua cabeça e ver a um pouco mais além do que parece.

pobreza miserável

Vieram a público os últimos dados da pobreza em Portugal, 2,2 milhões de portugueses são excluídos porque são pobres. Este número é assustador e muito incomodativo, tira-me o sono. Um belo e orgulhoso resultado de 45 anos de socialismo em vários tons. Escrevo 45 anos de socialismo porque é tempo de deixar em paz os 48 anos de ditadura fascista e começar a pensar onde estamos e como aqui chegámos. Obviamente que na análise de tão monstruosa realidade há todo um conjunto de dados e interpretações que deixa António Costa e a enorme família socialista tranquilos e satisfeitos com o seu trabalho. Apesar desta miséria também se soube esta semana que a subscrição de seguros de saúde disparou em Portugal sobretudo nas classes mais baixas. Daqui se conclui que os pobres deste país duvidam muito, isto é, sentem na pele, que a saúde que o Estado lhes “oferece” não satisfaz. E aqui estamos alegres, contentes e distraídos com as palermices da Joacine que em poucas semanas tirou o palco ao PAN. Caros portugueses, temos a certeza que o mesmo caminho nos vai conduzir aos mesmos miseráveis lugares. Naturalmente que os autoproclamados arautos da democracia, aqueles que nos dizem o que é “bom e mau”, gritam cada vez mais alto o “enorme caminho percorrido desde 74”. Era melhor que assim não fosse, este tipo de gritaria, argumentos, só dão razão a quem pensa diferente. À cabeça está sempre a “liberdade”. Liberdade? Será que estes pobres têm a liberdade para ligar o aquecimento e não terem frio no inverno? Abaixo a aposta estratégica na pobreza, já! Será que é possível experimentar novos caminhos para ter melhores resultados? Qual é o risco? Quarenta e cinco anos depois ainda acreditamos que a culpa é do Salazar? Ainda dá para acreditar que quem nos conduziu até aqui nos vai tirar desta situação? É credível esta miséria ser resultado de alguns “papões” que espreitam a oportunidade de nos fazer mal e não das políticas seguidas?

O cenário é negro mas sabemos que mesmo por detrás de espessas nuvens sempre o sol brilha, tenhamos esperança, podemos mudar para melhor.

saúde e justiça

A minha mãe foi enfermeira há quase 70 anos, no primeiro curso da Escola de Enfermagem de Évora. Brinquei nos corredores desta casa e por isso muito a estimo e, obviamente, considero os seus profissionais. Escrevo em jornais e revistas há 25 anos e totalizo mais de 500 artigos publicados. Fui diretor da principal revista portuguesa de ambiente durante cerca de 10 anos e tenho a Carteira de Jornalista há quase 20 anos. Nunca escrevi nada que fosse objeto de qualquer tipo de queixa, até que, em dezembro de 2017, quase há dois anos, um texto no Diário do Sul onde comecei por expressar que não era opinião mas sim o relato de fatos, seguramente verdadeiros. “Hospital de Évora, um horror” foi o título desse texto. Por tudo aquilo que todos os dias, lemos, ouvimos e vemos acerca da saúde em Portugal o caso que relatei é apenas mais um. Na sequência, dois ou três dias depois, recebi uma carta da Administração do Hospital a ameaçar-me de fazer queixa junto do Ministério Público. Uns bons meses despois quando fui chamado a apresentar-me no DIAP, não fazia a mínima ideia de qual a causa. Fui tratado como um bandido pela funcionária que não quis acreditar que eu não sabia o que estava ali a fazer e lhe custou a aceitar que eu não fosse acompanhado de um advogado. Um advogado pago por mim, os do Hospital, são pagos por nós todos. Marcada uma nova data lá voltei com o advogado e soube o que estava ali a fazer. Fui inquirido e o processo foi arquivado. A Administração do Hospital não terá ficado satisfeita. Deduziu acusação particular.  Entretém-se dar trabalho aos juristas que nós pagamos. Cumpridos os procedimentos jurídicos adequados aguardo, como um eventual criminoso,  na condição de arguido,  quase meio ano depois da data marcada para conhecer uma decisão do DIAP de Évora.  É este o Estado que temos e que tão caro nos custa.

conversas de cesta

Domingo, dia 24, 18:00, na Parede/Carcavelos – o banco do tempo. Conversas de Cesta, partilhar o que tenho na cesta.
As pessoas deixaram de conversar, de partilhar. Estamos tão perto e tão longe uns dos outros.
Cada um de nós tem na “Cesta” saberes que são úteis aos outros, partilhar não custa, acrescenta.
Um convidado e um tema são o pretexto para uma conversa boa. Todos os meses no segundo e quarto domingo do mês.
O conceito é a “partilha informal de saberes úteis”, sem inscrição, sem custos, sem compromisso. Rigorosamente sem custos e sem recursos financeiros.
A escolha é de cada um:
ignorar,
nada fazer ou,
fazer o que deve.
Fazer parte da mudança é o convite.
Tornar a Cesta enorme.
Contribuir positivamente para a “nossa terra” melhor.
“Se eu mudar o mundo muda”, esta é a nossa grande convicção, queremos fazer a nossa parte.
Faça a sua.”   Em 12 anos temos mais de 200 tertúlias realizadas. A quase totalidade delas com grande nível. O cartaz programa de outubro como um excelente exemplo, a Fátima Sousa é uma conceituada física e Rui Dias o melhor geólogo português vão Conversar sobre temas de grande atualidade e interesse. Em http://www.otrosmundos.cc/category/conversas-de-cesta/ poderá aceder a mais alguns exemplos.  

Luxemburgo – Portugal (0-2)

“o rendimento per capita do Luxemburgo é dos mais altos do mundo, mas depois têm estádios de merda. Realmente… há países com as prioridades todas trocadas” (Vasco Correia). Curiosamente 30% da população do Luxemburgo são portugueses, será que o problema é dos governantes/dirigentes?

pedreiras seguras…

…com sinais e arame (vedações “tipo gado”) resolve-se o problema do risco nas pedreiras. Alguém se lembra de alguma pessoa, cidadão ou operário, ter caído numa pedreira? É muito provável que tenha acontecido mas ninguém se lembra. O Ministério do Ambiente diz-se satisfeito com o trabalho feito nas pedreiras ao longo deste ano. “A situação de risco é muito menor do que era há um ano”, diz Matos Fernandes; com arame e sinais, digo eu. “Não há memória de uma dinâmica destas em Portugal, e valeu mesmo a pena a nossa determinação” (Matos Fernandes), o consumo de tinta e arame em Portugal disparou.

fotografia do Público

e se abríssemos os olhos?

lítio & Greta

como tudo o resto (petróleo, ouro, etc.) em matéria de recursos geológicos, que devem a sua localização exclusivamente a factores geológicos, o país “não quer nem saber”. Qualquer “povo” tem a câmara da TV à frente e diz os disparates que lhe aprouver com o mesmo valor de quem estuda e trabalha a coisa. O Secretário de Estado do brinco tem alguma razão na substância mas não tem nada ver com o assunto, apenas segue a aplicação da lei e os pareceres da Administração competente. Sabe bem a cartilha do chefe Costa; assim não se compreende para que existe? António Barreto escreveu: “As esquerdas, auto-sufcientes, exauriram o Estado competente, técnico e inteligente, para o transformar em agente político e já agora em sua coutada. As direitas, cúpidas, esvaziaram o Estado sabedor, capaz e independente, para entregar poderes e competências aos negócios e aos privados. O Estado, hoje, é alfobre de negócios, tapada dos partidos, autoritário como os ignorantes, convencido como os déspotas! E ao serviço da política mais barata, a dos interesses.”

era só mesmo o que faltava, Greta vem ao Parlamento dizer-nos o que devemos fazer. Aproveitem e perguntem-lhe sobre o lítio.

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan