sismo de 1969

E se fosse hoje? Esta é a pergunta. Portugal é um país, naturalmente, perigoso e cada vez mais o será. O país é perigoso devido à sua localização geográfica (incluindo uma coisa que se chama geodinâmica interna; neste caso a perigosidade vem-nos da “localização tectónica”), à sua geodiversidade, ao seu clima e à sua exposição atlântica. Com este contexto, a probabilidade de acontecerem fenómenos naturais perigosos é elevada.

Na Conversas de Cesta, Luís Lopes, professor na Universidade de Évora vai conduzir a conversa à volta deste importante assunto.

Domingo, dia 26, 18:00, no Junqueiro (Parede/Carcavelos).

Sinta-se convidado e convide.

tudo o que é bom…

tudo o que é bom merece ser partilhado.

o bom é o que mais gosto de partilhar, embora às vezes possa não parecer porque infelizmente escasseia.

artigo de Miguel Esteves Cardoso:

https://www.dropbox.com/s/m30wjxd8q855ctq/mec%20-%20jo%C3%A3o%20felix%20-%20Publico-20190520-p%C3%A1ginas-13.pdf?dl=0

miseráveis

o Tejo, o nosso rio, é bem o espelho do resto.

hoje no Público:

https://www.dropbox.com/s/x3lcqs69b5bh1dr/tejo%20-%20Publico-20190514-p%C3%A1ginas-22.pdf?dl=0

bandeira azul

Não nos podemos esquecer que em 2007 o Prof. Marcelo considerou Berardo a personalidade do ano. Este é mundo e o país onde vivemos e que aceitamos.

Enquanto isto, todos os anos por esta altura assistimos ao folclore da Bandeira Azul. Mais um ano que em batemos o recorde do número de bandeiras nas nossas praias.

Será que um dia ainda vamos saber as verdadeiras contas desta coisa?

Por princípio desconfio muito das certificações, selos e bandeiras… De todos os setores, o automóvel, é o mais exigente nesta matéria e o que mais certificações ostenta e exige. Lembram-se do que a aconteceu com a Volkswagen e com outras “respeitosas” marcas? Não preciso de mais nada para a minha generalizada desconfiança sobre este tema.

Durante anos, por funções dirigentes no Ministério do Ambiente, lidei de perto com a bandeira azul e com toda a corte à sua volta. Porque será que a Câmara Municipal de Cascais, desde há uns anos, ignora a bandeira a azul? As dezenas praias de Cascais perderam qualidade? Quanto custa esta fantochada a uma câmara municipal e quanto valeria se esse investimento fosse feito noutros aspetos como a segurança/vigilância? Suspeito que esta paranoia da bandeira bate recorde no nosso país. Em França vi praias com bandeira azul, poucas a têm, onde as pessoas passeiam de cavalo, imaginam isso por cá?

Quanto valeria um outdoor em Vilar Formoso, em Elvas, Vila Real ou na Portela,  do tipo: “País livre da Bandeira Azul” (as nossas praias são excelentes).

abril do Presidente

No 25 de abril ouvi o discurso do Presidente da República no rádio e percebi que é a melhor forma de compreender um discurso, foquemo-nos no essencial: nas palavras e no seu significado. Tenho pena de estar em desacordo com a maioria dos comentadores mas, lamentavelmente, ouvi um conjunto de lugares comuns sem significado de valor, aos costumes disse nada. Também sei que, infelizmente, muito poucos são os portugueses que compreende um discurso sobre qualquer coisa, ainda por cima quando se fala com alguma metáfora. Para os jovens de 74 (ele próprio) e os atuais nada se ouviu que fosse mobilizador. Pensei nos meus alunos, os jovens com quem mais lido, e suspeito que nada perceberam e que nada daquilo lhes interessa. Será que algum deles ouviu o Presidente? Vou-lhes preguntar. Impropriamente ouvi um conjunto de impossibilidades, até “sonhos impossíveis”, a última das coisas que tem impossíveis. Jovens com “sonhos impossíveis”? Povo e pátria com “sonhos impossíveis”? Era só mesmo o que faltava. Se aí chegássemos então podíamos mesmo arrumar as botas. Ouvi que devemos esperar mais da União Europeia e da CPLP. E de nós próprios, o que esperamos? Vamos esperar mais e melhor de nós próprios? Talvez valha a pena e talvez seja esse o (único) caminho. Na verdade há um principio, o da reciprocidade, que nos diz: só podemos esperar mais se dermos mais.

Do Presidente espera-se, na verdade, algo mais.  

europeias

nesta trapalhada dramática a que chegámos quem se pode demitir?

participar para algo melhor é votar?

António Barreto no Público (P2) de 12 maio é imperdível.

políticos

Ferro Rodrigues: “Os políticos não podem ser tratados pior do que cães” (Público)

Comentário de Ana Cristina: “conversa de parvoíce, nunca fui roubada por um cão”


o fim da crise

hoje o Público pública um trabalho com base no relatório do Eurostat sobre as finanças públicas dos Estados membros não é preciso ler, basta ver os gráficos, Portugal: -3ª maior dívida pública; -menor investimento público; -5ª maior despesa com a banca. conclusão: estamos cada vez mais pobres e mais no fim da Europa. e se pensássemos um bocadinho?

artigo no Público


capitalismo

ontem no jornal Público, Agostinho Pereira de Miranda, faz uma análise do mais “recente livro de Paul Collier, The Future of Capitalism, merece ser destacado pela sua clareza, profundidade e utilidade.”

“A sociedade capitalista tem de ser próspera mas também ética. Collier entende que se deve começar pela definição  de direitos e obrigações, ao nível da família, da empresa e do Estado. O conceito-chave é o da reciprocidade. Nenhum direito individual sem a correspondente obrigação. Não podemos continuar a esperar que as obrigações recaiam sobre o Estado paternalista, que nas últimas décadas anestesiou o sentido de responsabilidade e de identidade dos cidadãos.”

Pessoa & Saramago

este domingo, dia 28, voltam as Conversas de Cesta.

partilhar o que cada um tem na cesta.

sinta-se convidado e convide.

Adaptado de Esquire, de Matthew Buchanan